Total de visualizações de página

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Lição 01 – A Sobrevivência em Tempos de Crise – 02.10.16 - EBD CPAD

Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Abreu e Lima Pernambuco
 Pr Presidente Roberto José do Santos
Subsídios Bibliológicos para o Tema: O Deus de Toda Provisão
Texto da Lição: Hc 1.1-17
                               Por: Pr. João Barbosa                                                    
INTRODUÇÃO:
No contexto histórico anterior a este livro, grandes eventos haviam sacudido o mundo.

A nação do Norte fora levada para o cativeiro pelo poder da Assíria.

Porém o poderoso império assírio em 612 a.C. fora esmagado pelo ressurgimento do império neo-babilônico liderado por Nabucodonozor em 606/605 a.C.

Babilônia esmagou os exércitos egípcios na batalha de Carquemis.

Portanto, surgira uma nova potência mundial, e Judá, encontrava-se entre suas vítimas em potenciais, e em 605, 598, 587 os caldeus devastaram Judá.

Desenvolvimento:
Os babilônios foram levantados por Deus para castigar a apóstata Judá.

O profeta Habacuque não entende como é que Deus pune Judá através de uma nação mais corrupta e depravada como a Babilônia.

As queixas do profeta (Hc 1.1 – 2.20).

Deus silencia (Hc 1.2-4).

Deus responde que uma nação inimiga julgará Israel (Hc 1.1, 5-11).

Deus se utiliza de uma nação mais ímpia que será julgada (Hc 1.12 – 2.20).
Deus responde que Israel será salvo mas a Babilônia será destruída (Hc 2.2-20).

Habacuque entoa um Salmo em forma de oração (Hc 3.1-19).

A Teofania do poder (Hc 3.2-15).

A persistência da fé (Hc 3.16-19).

O tema central da profecia de Habacuque é que o justo viverá por fé (Hc 2.4). Esta é a única referência em todo AT.

Mas os escritores do NT se utilizaram amplamente desta referência (Rm 1.17; Gl 3.10-12; Hb 10.38,39).

Vivendo pela fé – Poucas expressões nas Escrituras tiveram impacto tão duradouro quanto a declaração do Senhor a Habacuque de que o justo pela sua fé viverá (Hc 2.4).

Se você é crente em Cristo nestes dias de crise, este versículo tem um papel importante em sua herança espiritual.

Martinho Lutero adotou este versículo como seu lema durante a Reforma Protestante no começo do século XVI.

Mas, provavelmente Habacuque não compreendia toda dimensão da verdade explosiva contida na declaração de Deus.

Ela aparece como parte de um prelúdio a um cântico de provocação que o profeta foi instruído a cantar contra a Babilônia (Hc 2.1-6).

O Senhor estava dizendo porque  os babilônios seriam julgados.
Basicamente eles eram um povo orgulhoso no sentido de que não temiam a Deus.

Por sua vez, a pessoa justa aquela que merecia aprovação e a bênção de Deus acharia graça diante dEle por causa da sua fé no Senhor.

Na verdade, a palavra hebraica traduzida por fé, “emuná” – que significa firmeza ou fidelidade.

O israelita que seguia o pacto com fidelidade, cumprindo a lei de Deus, era considerada uma pessoa justa ou santa (Sl 15).

O que estava em questão não era a etnia judaica da pessoa e sim a obediência a Deus.
O problema dos babilônios não era um problema de etnia, eles eram gentios e o fato de viverem uma vida cheia de perversidades e idolatria, viviam arrogantemente como se seus interesses pessoais fosse tudo o que importassem.

Por isso, o Senhor os humilharia de acordo com os cinco ais proclamados por Habacuque (Hc 2. 6-20).

No NT Paulo destacou a ideia de a pessoa viver somente pela fé (Rm 1.17; Gl 3.10-12).

Em Cristo, temos uma compreensão mais profunda, desta frase (Hc 2.4).

Viver pela fé não significa obedecer a lei apenas para os outros verem como muitos líderes judeus daquela época presumiam, e sim comprometer-se de todo coração com o Senhor.

CONCLUSÃO:
É com o reconhecimento de que apenas Cristo é capaz de tornar alguém justo perante Deus, e viver conforme Habacuque expressa em seu cântico:

Porque ainda, que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimentos;

as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja vacas, todavia, eu me alegrarei no Senhor, exultarei no Deus da minha salvação.

Jeová, o Senhor, é minha força, e fará os meus pés como os das cervas, e me fará andar sobre as minhas alturas”. (Hc 3.17-19).



Bibliografia:
Lições Bíblicas EBD CPAD - 4º. Trimestre 2016. Comentarista: Pr. Elienai Cabral
 CABRAL Elienai. O Deus de Toda Provisão. CPAD RJaneiro 2016
RADMACHER Earl D e outros. Editora Gospel RJaneiro 2010
O Novo Comentário Bíblico do Novo Testamento.
CHAMPLIN R. N. O Antigo Testamento Interpretado Versículo por Versículo Vls 5 e 7.
Editora Hagnus - São Paulo, 2001
Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD


A casa do meu Amigo é a Igreja - Lição 01 Jardim da Infância

Objetivos:
1. Aprender que antigamente a casa de Deus











era feita de tendas



2. Reconhecer que a Igreja é a casa de Deus e deve ser 
                                            respeitada.
É Hora do Versículo:                    


Vamos ouvir uma História?
Quem gosta de vir para a Igreja? Muito bem. Que bom. Todos aqui gostam de vir à Casa do Amigo Jesus!
O Papai do Céu fez este lugar maravilhoso para nele nós o adorarmos, louvar o seu nome, ofertar, agradecer, glorificar o seu nome e fazer muitas outras coisas legais



 Mas nem sempre a Casa do Papai do Céu foi como é hoje.


Antigamente, a igreja não era feita de tijolos, com janelas, portas até de vidros, bancos, cadeiras, ar condicionado ou ventiladores.
Há muitos anos atrás

 quando o povo de Deus vivia no deserto, 
o povo estava sempre mudando de lugar.
Por isso Moisés armava e desarmava uma tenda que era a igreja deles.

Mas o Papai do Céu chamou Moisés e mandou que ele fizesse um Tabernáculo onde o seu povo pudesse adorá-lo. Esse Tabernáculo era a Casa do


Papai do Céu na Terra.
Hoje, a Casa do Papai do Céu é a Igreja onde a Palavra de Deus é ensinada e os louvores são cantados.
Devemos sempre cuidar da igreja e mantê-la limpinha.
No templo não devemos comer nada como pipocas, bombons, chicletes. Também não devemos conversar nem fazer bagunças e depois que o culto acabar não podemos ficar correndo por dentro da igreja nem bagunçando.
                               Porque a Casa do Papai do Céu é um lugar de
                                                   reverência.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

EBD ADULTOS - 4º. TRIMESTRE 2016

                                            Tema: O Deus de Toda Provisão
                                                      http://nasendadacruz.blogspot.com  
                Comentarista da Lição: Pr. Elienai Cabral
              Contextualização da Prof. Laudicéa Barboza
Esboço do Pr. João Barbosa - (1º. Secretário da Superintendência da EBD - IEADALPE)
                          Pr. Presidente: Roberto José dos Santos 
                       Superintendente EBD: Pr. Steven Ribeiro


CLASSE DOS OBREIROS NA EBD CASA CAIADA - OLINDA-PE




        Escola Bíblica 




                              Dominical   

Editorial da CPAD:
......Estamos vivendo tempos difíceis em nossa nação.
.O Brasil está enfrentando uma crise 
política e econômica sem precedentes na história.São milhares de trabalhadores que perderam seus empregos e já não têm como sustentar suas famílias.
A crise política e ética também é grande.

Em momentos como este que estamos enfrentando, não podemos nos esquecer de que os céus não estão e jamais estarão em crise.     Deus tem o controle de todas as coisas. 
Ele se importa conosco e quer suprir as nossas necessidades.          


O nosso Deus libertou os israelitas da escravidão do Egito e os guiou durante quarenta anos pelo deserto. 
Durante a travessia do deserto o povo pôde conhecer o Deus de toda a provisão e suficiência.


O Senhor não deixou que faltasse, um só dia, pão, carne, água, roupa e calçados para os israelitas.
                              DEUS NÃO MUDOU
              Ele tem a provisão necessária para nós.

Em meio a crise, não podemos nos desesperar, entristecer.
  Precisamos orar e confiar no Deus de toda provisão.

Somente venceremos as crises que estamos atravessando em nossa nação com oração e jejum. Não adiante fazer como os israelitas fizeram no deserto: 
Eles murmuravam diante de cada dificuldade. 
A igreja do Senhor precisa orar para que Deus sare a nossa terra.
" E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra"
2 Crônicas 7.14






Jardim de Infância Tema: A Casa do meu Amigo

 http://nasendadacruz.blogspot.com  
Para Principiantes
Tema do 4º. Trimestre: A Casa do Meu Amigo
Contextualizada Por: Prof. Laudicéa Barboza
Comentarista da Lição: Verônica de Oliveira
Com estas lições os Pais, Mães, Tias, Professoras, Avôs e Avós terão




a oportunidade ímpar de despertar  a importância da igreja na vida






dos pequeninos.








                                    Eles reproduzem tudo quanto lhes repassamos. Enfatize sempre que a igreja é a casa do


Amigo Jesus.




Nela nós fazemos tudo que agrada e
                                              engrandece o Reino de Deus.
Encha o coração dos seus pequeninos de sabedoria divina e esteja certo
                               que a recompensa virá.





                     Neste Trimestre essa faixa
                          Etária estudará as seguintes
lições: 
01. A Casa do meu Amigo é a Igreja
02. Na Casa do meu Amigo eu Louvo
03. Na Casa do meu Amigo eu Oro
04. Na Casa do meu Amigo eu Oferto
05. Na Casa do meu Amigo eu Ajudo
06. Na Casa do meu Amigo eu Agradeço
07. Na Casa do meu Amigo Ele Fala comigo
08. Na Casa do meu Amigo Há Cura
09. Na Casa do meu Amigo Há Perdão
10. Na Casa do meu Amigo eu Tenho Amigos
11. Na Casa do meu Amigo Estudo a Bíblia
12. Na Casa do meu Amigo Há Alegria
13. O meu Coração é a Casa do meu Amigo

domingo, 25 de setembro de 2016

Papai do Céu me Criou - Maternal.1

                                                           Por Prof. Laudicéa Barboza
                                    http://nasendadacruz.blogspot.com  
                        OBJETIVO:
                                                                       Levar a Criança a reconhecer que


                        Papai do Céu é o grande                                                                             Criador.


                       
                          Para guardar
                                                                                                       No coração





                                                                   Oficina de Ideias












VAMOS CONTAR UMA HISTÓRIA?

                                    Papai do Céu criou toda a terra.                                
                                                Criou as lindas florzinhas para enfeitar a terra.
                                 Também criou as frutas gostosas.                                                                    
                  Ele também criou o












homem e a mulher.
O primeiro homem que Deus criou recebeu o nome de Adão.



Depois o Papai do Céu criou a primeira mulher.
Ela recebeu o nome de Eva.
Adão e Eva viviam em um lindo jardim que o Papai do Céu fez para ser a casa deles.

Professor: Explique que o Papai do Céu criou a todos eles e nos ama muito.
(Prepare uma caixa e coloque dentro um espelho.)
                          Permita que cada Criança olhe para dentro da caixa e se veja no espelho.
Todas as vezes que a Criança.olhar a caixa, repita a frase:
                                    Papai do Céu criou.....Vivi.
(Cite o nome da criança.)
Diga que elas são as melhores criações do Papai do Céu.
                                                   Todos nós somos especiais para Deus.
                                     






Todos fomos criados para adorar e louvar o Papai do Céu.

Comentarista:
(Luciana Gaby)

VAMOS CONFIAR? MATERNAL 4 TRIMESTRE


                                      http://nasendadacruz.blogspot.com  
                 Vamos Confiar?  É o Tema para o Maternal neste quarto Trimestre 2016
L.1 Papai do Céu me criou
L.2  Sou do Papai do Céu 
L.3 Amo o Papai do Céu 
L.4 Papai do Céu me dá coragem
L.5 Papai do Céu me dá inteligência.
L.6 Papai do Céu me dá alegria
L.7 Papai do Céu me dá amigos
L.8 Papai do Céu cuida de mim
L.9 Papai do Céu me dá saúde 
L.10 Papai do Céu me dá um coração bondoso
L.11 Papai do Céu fala comigo

L.12 Papai do Céu recebe a minha oferta
L.13 Quero agradar ao Papai do Céu 


























Neste Trimestre você Professor, Pai, Mãe, Avó, Avô, Tios, terão a oportunidade de mostrar às Crianças que elas podem confiar no Papai do Céu.
EBD EM Casa Caiada-Olinda Pe.
                                                                 
        Eles deverão aprender                                                                                               que Deus é real e nos ama.

                                                             Deus jamais vai nos deixar ou                                                     desamparar.
                                                                                  Ele é fiel!              
                                       Confiar em Deus em qualquer idade, é um privilégio. É importante que a criança saiba que ela pode contar, sempre, com a ajuda do Pai Celestial







Por isso, professor (a), esmere-se no preparo de cada aula.

Jamais esqueça de que você tem uma importante missão: ganhar e discipular Crianças para Deus.

                     O Pai não deseja que se perca






Nenhum destes pequeninos que ele confiou a você.




             Palavras editoriais da CPAD no 4º. Trimestre 2016 - Maternal
                                 Comentarista: Luciana Gaby
         Fotos em Contextualização da Prof. Laudicéa Barboza




quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Lição 13 -A Evangelizaçâo Integral nesta Última Hora - 25.09.16 - EBD CPAD

Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Abreu e Lima Pernambuco
Superintendência das Escolas Bíblicas Dominicais - Pr Presidente: Roberto José do Santos

Lucas 24.44-53
                                 Por: Pr. João Barbosa e Prof. Laudicéa Barboza                                                                
INTRODUÇÃO:
E eles tendo partido, pregaram por todas as partes, cooperando com eles o Senhor e confirmando a palavra com os sinais que seguiram. Amém! (Mc 16.20).

E assim cumpriram a missão nos domínios de Jerusalém, Judéia, Samaria e até os confins da terra.

A integralidade da evangelização em seu sentido abrangente, resume-se em proclamar as Boas-Novas da salvação de Cristo em todo mundo e em todos os tempos.

I.1 - Evangelização Integral:  É uma ação simultânea, conjunta. Ao mesmo tempo evangelizando local, nacional e transcultural (At 1.8).

Em Atos 13.1-15, encontra-se de forma clara e muito objetiva o propósito de Jesus ao ordenar seus primeiros discípulos. Não particularizou, não sequenciou, mas integralmente ordenou:

 “e ser-me-eis testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra....”.

Essa evangelização integral vai além do anúncio das Boas-Novas, cujo objetivo é alcançar o homem por inteiro (corpo, alma e espírito).

Trata-se da completude da missão da igreja evangelizando de forma integral.

I.2  - Avivamento e Evangelização:  Sem o poder do Espírito Santo não teremos êxito na evangelização.

A evangelização integral é necessária e requer o revestimento de poder. Logo, Evangelismo e Pentecostes são temas acoplados e inseparáveis.

Sem o batismo com o Espírito Santo não teremos a unção necessária para evangelizar, falando do amor de Cristo em qualquer lugar que seja:

Na família, na rua, no bairro entre os amigos, na escola, na cidade, no país e no exterior.

II  - Discipulado Integral: À proporção que formos evangelizando também devemos inserir a ação discipuladora.

O discipulado deve ser uma sequência indissociável do evangelismo, caso contrário, estaremos errando haja vista, ser a ordem de Jesus:

Portanto ide e fazei discípulos de todas as nações, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” (Mt 28.19).

II.1 - Doutrinação: A doutrinação deve ser iniciado no ato da conversão ensinando as verdade centrais da fé cristã levando o novo converso a pensar, agir e viver de acordo com os mandamentos.

E prosseguir durante toda a vida aprendendo a guardar a palavra do Senhor no seu coração para estar preparado, capaz de defender-se do pecado na hora da adversidade.

 II.2 - Integração: Sem a ação integradora através  de um caloroso acolhimento, a doutrinação torna-se ineficiente, pois o novo convertido precisa sentir que ele é parte constante daquela comunidade cristã.

É o amor de Deus revelado entre os irmãos, não apenas por palavras mas também por ações e emoções (At 2.44; 1Jo 3.18).

II.3 - Treinamento: Desde os primeiros dias do envolvimento do novo convertido com a sua nova vida, o discipulando deve ser treinado para falar do amor de Cristo a outros, fazendo novos discípulos (Lc 3.9).

II.4 - Identificação: Nos dias atuais onde a inversão de valores é uma das constantes da sociedade, para que o cristão seja identificado como seguidor de Cristo ele tem que fazer a diferença onde quer que se encontre (Jo 8.31).

Dessa forma o ápice da ação discipuladora é atingida quando o novo convertido é capaz de destacar-se pela sua postura como salvo por Jesus Cristo, através do seu testemunho, e tal como os crentes primitivos tornam-se a serem conhecidos em virtude do seu compromisso com Jesus.

III A Igreja da Evangelização Integral: Esta é a igreja que sabe o que realmente é a evangelização e a pratica conforme os moldes da Bíblia.

Hoje, mais do que nunca, devido a urgência de nossos dias, três devem ser as ações básicas dessa igreja: promoção, comissão e manutenção.

III.1 - Promoção: A Igreja da Evangelização Integral promove a evangelização em todos os âmbitos (At 13.1-3).

Esta igreja é evangelística e missionária e precisa entender a evangelização integral como a Igreja Primitiva entendia.

III.2 - Comissão: Nenhuma organização pode substituir a igreja na tarefa evangelizadora.

Na evangelização integral a igreja deve agir como uma agência evangelizadora e missionária por excelência.

É preciso alargar suas tendas ultrapassando as paredes e os limites do nosso ambiente de acomodação:

As quatro paredes da igreja, indo ás ruas, aos bairros, às cidades, aos países e ao mundo todo (Rm 10.14.15).

III.3 - Manutenção: As igrejas da Macedônia, apesar de pobres, enriqueceram a muitos, sustentando obreiros e missionários (2Co 8.1-7).

Conclusão:
Não precisamos de estratégias mirabolantes para dar cumprimento à nossa missão.

Carecemos é de ser obedientes e cheios do Espírito Santo.

Sem Ele não podemos cumprir a nossa missão de forma integral.

Os discípulos de Jesus ficaram em Jerusalém até que receberam o revestimento de poder do alto.

Sigamos o exemplo desses discípulos, revistamo-nos de poder do alto e saiamos encorajados por todos os recantos da terra a cumprir a missão que nos foi confiada.

Estamos na última hora e ainda existem muitos que precisam ouvir as Boas-Novas da salvação.

Bibliografia: 
Lições Bíblicas EBD CPAD - 3º. Trimestre 2016. Comentarista: Pr.Claudionor de Andrade
ANDRADE, Claudionor de. O Desafio da Evangelização – Obedecendo ao Ide do Senhor Jesus de levar as Boas Novas a toda Criatura. CPAD. RJaneiro

VEITH, Edward Gene. Tempos Pós-Modernos: Uma avaliação cristã do pensamento e da cultura da nossa época. Editora Cultura Cristã, São Paulo, 1999

Vídeo da Lição 13 Adultos - A Evangelização Integral nesta Última Hora


quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Lição 12 - A Evangelização Real na Área Digital - 18.09.16


Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Abreu e Lima Pernambuco – Superintendência das Escolas Bíblicas Dominicais  Pr Presidente. Roberto José dos Santos
Por Pr. João Barbosa e Prof. Laudicéa Barboza
http://nasendadacruz.blogspot.com
Esboço da Lição – Texto Bíblico: Tito 2.11-15
Introdução: O verdadeiro conhecimento vem de Deus; somente a salvação traz o conhecimento que liberta. De Deus virá a era da informação total (Pv 1.7; 1Tm 2.4; Hb 2.4).
I   - Pecadores digitais na mão de um Deus real: Na era digital a necessidade de evangelização é mais do que real.
A era da informação instantânea, apesar de suas facilidades constitui-se num grande desafio evangelístico, haja vista, apesar de vivermos na era da informação e da comunicação é lamentável o fato de tão grande contingente de pessoas no nosso planeta, ainda não terem ouvido nada, ou quase nada, a repeito do Evangelho de Cristo através do seu plano redentor para a humanidade perdida e sem esperança.
I.1 - Pecados em séries - Nos dias de Davi mesmo ocultamente, ao cometer adultério com Bate-Seba (2Sm 11.1,2), o seu reino tornou-se instável por causa da sua desobediência contra Deus (Lc 12.2; Dn 2.22; 2Sm 15.17).
Essas situações que favorecem o pecado são sempre íntimas e sigilosas. Foi assim que Davi consumou um adultério e um assassinato (2Sm 11).
O caso de Amnon e Tamar também é bastante emblemático (2Sm 13). Temos nos dias de hoje uma geração de usuários que irresistivelmente vivem seus dias na intimidade e no sigilo dos aparelhos eletrônicos.
Escondidas atrás das telas, as pessoas se sentem mais à vontade, mais seguras em transgredir as leis e os mandamentos do Deus que tudo vê. (Lc 12.2; Dn 2.22)
I.2Rede de intrigas – Os mesmos recursos que, rapidamente, proporcionam conhecimentos e saberes também possibilitam pecados e apostasias em tempo real, e comportamentos pecaminosos disseminados nas redes sociais são velozmente imitados (Gn 18.20).
Amnon, filho de Davi, utilizou-se de uma rede sofisticada de relacionamentos, administrada por Jonadabe, a fim de seduzir sua irmã Tamar (2Sm 13.1-14).
E, assim, utilizando como pretexto amor e doença estuprou a jovem, levando a vergonha e o ódio à casa real de Israel.
I.3O e-mail fatal – Os mesmos recursos que, rapidamente, proporcionam conhecimentos e saberes também possibilitam pecados e apostasias em tempo real.
A carta de Davi dirigida a Joabe pode ser considerada hoje, como o email-fatal (2Sm 11.14-16; 12.9).
Estamos na era digital, mas o pecado da humanidade é real e somente o Evangelho de Cristo pode dar esperança a humanidade.
Que venhamos a utilizar a tecnologia de forma sábia, contribuindo para a expansão do Reino de Deus.
O correio eletrônico facilita-nos o dia-a-dia, encurta-nos as distancias e ajuda-nos a resolver as pendências.
Infelizmente, essa ferramenta tão útil vem sendo utilizada também para arruinar reputações, caluniar e até matar e roubar.
A verdade é que, mesmo virtual, o pecado é real e leva ao inferno, caso não haja arrependimento.
O conhecimento moderno não está contribuindo para o avanço moral e ético da sociedade. Deparamo-nos com muita quantidade, mas pouca qualidade. Esta é a real situação dos nossos tempos.
Nunca o homem conheceu tanto sobre si, e tão pouco sobre Deus (Os 4.1).
II   - Consertando a rede para Cristo: Hoje, quem se propõe a falar de Cristo aos pecadores digitais tem uma grande rede a consertar: a Internet evangelística (Mc 1.19,20).
II.1Vocação: Falar de Cristo através da Internet é um ministério que exige vocação, pois o ambiente global de computadores acha-se poluído com sites ruins e falsos, que acabam pregando outro evangelho (Gl 1.6).
Existe a necessidade de falar de Cristo em poucos minutos, o que ainda não nos é costumeiro. A visão cosmonauta direciona para o instantâneo, para o prático, o econômico em relação ao tempo.
A mensagem que pregamos é antiga como o mundo (Gn 3.15), e por ser exatamente ela tudo que esse mundo sem Deus precisa, só compete a nós fazermos a sua proclamação de forma correta.
II.2 Mensagem: –Em rápida observação não demoramos descobrir na mídia grande parte de pregadores direcionando suas mensagens clamando por ceifeiros, colaboradores e sócios que possam fazer doações e mais doações. Em troca precipitam um turbilhão de bênçãos que viriam em forma de bônus para quem der as maiores ofertas.
Ao invés de estarem falando algo sobre a santidade de Deus, o pecado ou arrependimento, pregam um evangelho que não é o ensinado por nosso Senhor Jesus Cristo e pelos apóstolos, porque o Evangelho é poder de Deus e salvação para todo aquele que crê (Rm 1.16,17).
II.3 Habilidade: A maioria de nós não é nascido no ambiente virtual da era da informação. No entanto, para se utilizar da mídia para veicular a mensagem do evangelho é necessário habilidade.
Faz parte dessa tarefa o manuseio eficiente com a larga disponibilidade de comunicação que a mídia oferece através de eficientes recursos.
Sabemos que a atenção de quem navega pela Internet é seletiva. Então, por mais que as igrejas marquem território nos sites da Internet, deve-se levar em conta que um missionário que use bem essas ferramentas entra em lugares tanto reais quanto virtuais a fim de alcançar as almas para Cristo.
III – Evangelho real para pescadores digitais: Precisamos pregar o evangelho real para os pecadores digitais. É costumeiro se ouvir falar que para um grande pecador há um grande Salvador. Para que a mensagem pela Internet seja eficiente, alguns fatores devem ser considerados:
III.1 Fator Habacuc:  (Hb 2.2). A mensagem veiculada pela Internet a exemplo de Habacuc deve ser clara, breve, e objetiva.
De forma direta e incisiva o evangelista deve apresentar de eficientemente o plano da salvação incluindo o apelo e a oração. Dessa forma, não combina mensagens prolixas e cheias de subjetivismos.
III.2 Fator Eliseu:  (2Re 4.9). Nossos sites e páginas sociais devem ser de tais conteúdos que venham glorificar a Cristo. A nossa postura diante de tudo que circula na mídia e a nossa reputação será suficiente para levar almas aos pés de Cristo (Tt 2. 15).
III.3 Fator Paulo:  (At 17.23). A partir de um ponto de contato inteligente, o evangelista deve introduzir eficazmente o Evangelho de Cristo. Para isto, deve estar inteirado dos eventos, problemas e crises que atingem a sociedade; e aproveitando a oportunidade apresentar Cristo, o Salvador do mundo.
 III.4 Fator Filipe:  (At 8.30). Quem se propõe a evangelizar pela Internet, deve estar sempre preparado para interpretar a Palavra de Deus, pois a Internet é um território minado por vírus doutrinários.
É indispensável ao evangelista um preparo real, manejando bem a Palavra da verdade (1Tm 2.15).
Conclusão: Nossa missão consiste em falar de Cristo a todos, por todos os meios. Onde estiver um pecador ali deveremos estar nós real ou virtualmente para alcançá-lo com a verdade que liberta.
Para dizer-lhe que Jesus Cristo salva, batiza com o Espírito Santo, cura as enfermidades e, em breve virá buscar-nos para morarmos com Ele na sua glória (Tt 2.13).

Bibliografia: Lições Bíblicas EBD CPAD - 3º. Trimestre 2016. Comentarista: Pr.Claudionor de Andrade
ANDRADE, Claudionor de. O Desafio da Evangelização – Obedecendo ao Ide do Senhor Jesus de levar as Boas Novas a toda Criatura. CPAD. RJaneiro

VEITH, Edward Gene. Tempos Pós-Modernos: Uma avaliação cristã do pensamento e da cultura da nossa época. Editora Cultura Cristã, São Paulo, 1999